Qualidade acústica em ambientes gastronômicos / Qualidade acústica em ambientes gastronômicos

Katiléa Machado de Melo Santos, Maria Lúcia Gondim da Rosa Oiticica

Resumo


O excesso de ruído, dentre muitos problemas, é o responsável pela redução da capacidade de comunicação dentro dos ambientes fechados. Em estabelecimentos gastronômicos, uma boa qualidade acústica significa encontrar o equilíbrio entre inteligibilidade e privacidade, e um dos problemas encontrados com esse foco é o excesso da reverberação causado pelo uso de materiais pouco absorvedores, fazendo com que os usuários aumentem seus tons de voz para sobrepor-se ao ruído de fundo e assim serem entendidos. As intervenções acústicas para melhorar a qualidade acústica passam a ser a diminuição do tempo de reverberação, aumentando assim a inteligibilidade da fala. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho acústico de dois estabelecimentos gastronômicos, relacionando os níveis de ruído do ambiente ao esforço vocal daqueles que utilizam o espaço e, através de cálculos e medições, identificar as deficiências contidas nos objetos de estudo. Para o método de avaliação foram selecionados dois restaurantes com caracterizações distintas na cidade de Maceió – AL, nos quais foram analisados o tempo de reverberação, a relação sinal-ruído e o nível de interferência da fala. Os resultados mostraram que as condições atuais dos objetos de estudo mantiveram-se distantes das condições ideais e, através da análise dos resultados, foi verificado que a introdução de superfícies absorvedoras seria uma possível solução para amenizar o ruído de fundo e melhorar a relação sinal-ruído, diminuindo, consequentemente, o nível de interferência da fala e esforço vocal dos usuários. Portanto, este trabalho destacou os parâmetros necessários para obtenção de uma boa qualidade acústica em restaurantes e como utilizá-los. Foi também mostrada a importância do desenvolvimento de um projeto acústico para que os usuários do ambiente não precisem desgastar a voz para serem compreendidos e não comprometam sua privacidade. Esse trabalho poderá nortear estudos de intervenção acústica em estabelecimentos gastronômicos variados. 


Palavras-chave


nível de interferência da fala, relação sinal-ruído, tempo de reverberação, estabelecimentos gastronômicos, restaurantes, qualidade acústica.

Texto completo:

PDF

Referências


U. S. Arch. and Transp. Barriers Compliance Board, "Quiet Area in Restaurants", C. No. QA 92004001, 1993.

FERNANDES, J. C. Inteligibilidade Acústica da Linguagem. Belo Horizonte: SOBRAC, 2000.

BRONKHORST, A. W., "The Cocktail Party Phenomenon: A Review of research on Speech Intelligibility in Multiple Talker Conditions", ACUSTICA, Vol. 86 (2000).

WEBSTER, John C., SNELL, Karen B. Noise Levels and the Speech Intelligibility of Teachers in Classrooms, Journal of the Academy of Rehabilitative Audiology, vol. XVI, 1983.

LONG, Marshall. Architectural Acoustics. Amsterdam: Elsevier Academic Press, 2006.

ISO 9921. Ergonomics – Assessment of speech communication. Geneva, 2003.

RINDEL, J. H., CHRISTENSEN, C.L., GADE, A. C. Dynamic sound source for simulating the Lombard effect in room acoustic modeling software. Proc. of Inter Noise, New York, USA 2012.

RINDEL, J.H. Verbal communication and noise in eating establishments. Applied Acoustics 71, 2010.

FONSECA, M T. Tecnologias gerenciais de restaurantes. São Paulo: Senac, 2000.

HOLTZ, Marcos. Acústica de Restaurantes, IV WAA. Audium YouTube, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 de fevereiro de 2016.

RINDEL, J.H. Acoustical capacity as a means of noise control in eating establishments. Denmark, 2012.

ABNT, A. B. NBR 10.151: Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade - Procedimento. 4. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2000.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.