Análise de tendência em séries históricas de vazão: uso de teste estatístico paramétrico / Trend analysis in flow historical series: use of parametric statistical test

Luís Enrique Fernandes da Silva

Resumo


Neste trabalho é apresentada uma análise das séries históricas de vazões registradas a fim de analisar a diminuição ou o aumento das vazões médias no curso d’água do Rio Paraguai. Assim, o objetivo do estudo foi avaliar o comportamento da vazão com base numa série histórica de vazão, em um período correspondente a 37 anos (1968-2005), tendo a localização da estação fluviométrica em que as medidas foram realizadas, localizada na cidade de Barra do Bugres, Mato Grosso, comparando dois períodos históricos para saber se houve alteração na vazão do rio nos períodos analisados. Para esse estudo as informações obtidas foram a partir dos registros da Agência Nacional de Águas ANA (http://hidroweb.ana.gov.br/) e as informações sobre Barra do Bugres, rio Paraguai, entre outros, foram a partir de levantamentos bibliográficos em livros, artigos, revistas, etc. Os dados alcançados foram tabulados e analisados usando métodos quantitativos baseado em teste de hipótese, usando as funções estatísticas do Microsoft Excel.


Palavras-chave


Série Histórica. Vazão. Estatística.

Texto completo:

PDF

Referências


ANA – Agencia Nacional de Águas – HIDROWEB. Séries Históricas – estações fluviométricas. Disponível em http://hidroweb.ana.gov.br/.

BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística: para cursos de engenharia e informática. São Paulo: Atlas, 2004.

CRESPO, Antônio Arnot. Estatística Fácil. São Paulo: Saraiva, 2002.

FONSECA, Jairo Simon da. Curso de estatística. 6ª ed. – São Paulo: Atlas, 1996.

GARCEZ, Lucas N. - Hidrologia - Ed. Edgard Blucher - SãoPaulo, 1970.

IBIAPINA, A. V., et al. 2003 Evolução da hidrometria no Brasil. Disponível em:

http://www.mma.gov.br/port/srh/acervo/publica/doc/oestado/texto/121-138.html.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia do Trabalho Científico. 4ª edição, São Paulo: Editora Atlas S. A. 1992.

LEME, Ruy A. da Silva. Curso de estatística: elementos. Rio de Janeiro: Livro Técnico S. A., 1972.

MAITELLI, G. T. Hidrografia. In: MORENO, G. & HIGA, T. C. S. Geografia de Mato Grosso. Cuiabá, Entrelinhas. 2005

NOVO, E. M. l. M. Ambientes Fluviais: Fundamentos de Geomorfologia Fluvial. In: Geomorfologia: Conceitos e tecnologias atuais. (Org.) Florenzano, T. G. São Paulo: Oficina de textos, 2008.

PEDRAZZI, J. A. Escoamento superficial. 2003. Disponível em http://www.facens.br/site/alunos/download/hidrologia/pedr azzi_cap7_escoamento sup erficial.doc.

PEREIRA, Régis da Silva. Capítulo 13: Princípios da Hidrometria, Universidade do Rio Grande do Sul – Porto Alegre, 2003.

SANTOS, I.et al. Hidrometria Aplicada. Curitiba: Instituto de Tecnologia para o desenvolvimento, 2001. 372.

SHIKLOMANOV, I. A. 1999. International Hydrological Programme – IHP –IV/UNESCO, 1998. In: Águas doces no Brasil: Capital ecológico, uso e conservação. Escrituras ed., Rebouças, A. C. et al., 1999.

SOUZA, C. A. Ambiente do Corredor Fluvial do rio Paraguai entre a cidade de Cáceres e a Estação Ecológica da Ilha de Taiamã - MT. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

TUCCI, C. E M. (1993). Hidrologia Ciência e Aplicação. Editora da universidade ABRH, p952, Porto Alegre - RS.

TUCCI, C. E M. (1998). Modelos Hidrológicos, editora da universidade ABRH, p670, Porto Alegre – RS.

TUNDISI, J.G. 2008. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados 22(63): 7-16. Washington DC. 315 p.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.