Caracterização físico-química do óleo de castanha do Pará extraído por prensagem hidráulica / Physical and chemical characterization of Pará chestnut oil extracted by hydraulic pressing

Adria Evellin Godinho de Vilhena, Rodrigo Luiz da Cruz Sehwartz, Pamela Tais da Silva Bezerra, Davi do Socorro Barros Brasil

Resumo


Este trabalho teve por objetivo a quantificação de rendimentos obtidos a partir da prensagem hidráulica de castanhas do Pará e posterior análise físico-química do óleo gerado. As amêndoas foram separadas em duas amostras (A e B) que se diferenciavam pelo tratamento antes da prensagem (com secagem e in natura). Os rendimentos obtidos das amostras A e B foram, respectivamente: 47% e 42%. Os parâmetros analisados no óleo foram: índice de acidez, índice de peróxidos, índice de saponificação e densidade. A amostra A obteve os seguintes resultados, respectivamente: 1,55 mg KOH/g; 198,29 mg KOH/g; 8,1 meq/kg e 0,91 g/cm³. A amostra B obteve os seguintes resultados, respectivamente 2,01 mg KOH/g; 207,17 mg KOH/g; 9,2 meq/kg e 0,93 g/cm³. Todos os resultados foram dentro do estipulado pela norma da ANVISA.


Palavras-chave


Extração de óleo, Prensagem hidráulica, Castanha do Pará.

Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n° 270 de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico para Óleos Vegetais, Gorduras Vegetais e Creme Vegetal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 de setembro de 2005.

AOCS (American Oil Chemists ‘Society). Official Methods and Recommended Practices of the American Oil Chemists’ Society. Champaing: AOCS, 1990.

CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2.ed. Campinas: Editora Unicamp, 2003. 207p.

D ́ARCE, R.; MARISA, A. B.; GLÓRIA, M. M. Concentrado e isolado proteico de torta de Castanha-do-Pará: Obtenção e caracterização química e funcional. Ciência e Tecnologia de alimentos.V.20, n°2, Campinas, 2000.

GIOIELLI, L.A.; SOLIS, V.S.; POLAKIEWICZ, B. Hidrogenación e interesterificación del aceite de castaña de Brasil (Bertholletia excelsa). Grasas y Aceites, v.52, n.3-4, p.192-197, 2001.

HOMMA, A. K. O. Extrativismo vegetal ou plantio: qual a opção para a Amazônia? Estudos avançados 2012; 26(74): 167-186.

LAWSON, H. Food oils and fats: technology, utilization and nutrition. New York: Chapman & Hall, 1995.

MORETTO, E.; FETT, R. Tecnologia de óleos e gorduras vegetais na indústria de alimentos. São Paulo: Varela, 1998.

PERRY, R. H.; CHILTON, C. H. Manual de engenharia química. 5a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1986.

SÁ, C.P.; BAYAMA, M. M. A; WADT, L. H. O. Coeficientes técnicos, custo e rentabilidade para a coleta de castanha-do-brasil no Estado do Acre: sistema de produção melhorado. Rio Branco: Embrapa Acre; 2008. 4 p.

SILVA, A. A.; SANTOS, M. K. V.; GAMA, J. R. V.; NOCE, R.; LEÃO, S. Potencial do Extrativismo da Castanha-do-Pará na Geração de Renda em Comunidades da Mesorregião Baixo Amazonas, Pará. Floresta e Ambiente. out./dez 2013. 20(4):500-509.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.