Isolamento acústico legal, normal, ou real: Qual adotar? / Legal, normal, or real acoustic insulation: which to adopt?

Victor Mourthé Valadares

Resumo


Este trabalho faz uma reflexão sobre a questão da definição do isolamento acústico de origem aérea recomendado para envoltórias de ambientes de edificações na vertente da privacidade acústica no contexto do tratamento acústico de recintos fechados. Foram desvelados três formatos possíveis dessa definição de isolamento, aqui nomeados de legalnormalreal, na perspectiva do conceito de diferença de nível de pressão acústica entre ambientes que uma partição edilícia pretende isolar, uma expressão da difundida noção de perda por transmissão acústica. Na reflexão teórica, os níveis de critério pelas curvas NC foram adotados nos âmbitos federal (Brasil), estadual (Minas Gerais) e municipal (Belo Horizonte). Quanto à indagação no título do trabalho, o formado de isolamento acústico real é melhor para orientação da especificação de sistemas construtivos de isolamento acústico pelo profissional.


Palavras-chave


acústica de edificações, isolamento acústico, diferença de nível.

Texto completo:

PDF

Referências


Beranek, L. L. Noise and Vibration Control. Washington, INCE, 1988.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10152 – Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro: ABNT, 1987.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10152 – Acústica – Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 2017.

Schafer, R. M. O ouvido pensante. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1991.

Grueneisen, Peter. Soundspace: architecture for sound and vision. Basel; Boston: Birkhäuser, 2003.

Gerges, Samir N.Y. Ruído: fundamentos e Controle. Florianópolis,S.N.Y.Gerges, 2000.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12.237 – Projetos e instalações de salas de projeção cinematográficas. Rio de Janeiro: ABNT, 1988.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR15575 – Edifícios habitacionais de até cinco pavimentos – Desempenho. Parte 4: Sistemas de vedações verticais externas e internas. Rio de Janeiro, ABNT, 2009.

Internation Organization for Standartization. ISO 717 – Rating of sound insulation in buildings and building elements. Genève: ISO, 2013.

Internation Organization for Standartization. ISO 1996 – Description, measurement and assessment of environmental noise – Part 1: Basic quantities and procedures. Genève: ISO, 2017.

Ballou, G. M. Handbook for sound engineers: the new áudio cyclopedia. Indaiana: SAMS, 2002.

Valadares, V. M. Considerações sobre a avaliação da atmosfera acústica e proposição de classificação de sua poluição In: XXV Encontro da Sociedade Brasileira de Acústica, Sobrac 2014, Campinas, SP, 2014.

Valadares, V. M. Leis de silêncio em belo horizonte – MG: evolução e tendências. In: XIV Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído ENCAC & X Encontro Latino-Americano de Conforto no Ambiente Construído ELACAC da Sociedade Brasileira de Acústica, Encac 2017, Balneário Cambuirú, SC, 2017.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10151 – Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2000:2003.

Assembléia Legislativa De Minas Gerais (ALMG). Lei n. 7302 – 21 jul. 1978. Dispõe sobre a proteção contra a poluição sonora no Estado de Minas Gerais, 1978.

Assembléia Legislativa De Minas Gerais (ALMG). Lei n. 10.100 – 17 jan. 1990. Dispõe sobre a proteção contra a poluição sonora no Estado de Minas Gerais.

Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH). Lei n. 9.905 – 23 jan. 2008 . Dispõe sobre o controle de ruídos, sons e vibrações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. Diário Oficial do Município, Belo Horizonte , ano XIV, . 3.016 de 24/01/2008.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.