Estratégias para driblar a concorrência em redes de farmácias / Strategies to dribble competition in pharmaceutical networks

Michelle Karine dos Santos Lembi, Giuliana Zardeto Sabec, Kathiuska Tokie Vieira dos Santos Kawamoto

Resumo


Como a competitividade no ramo de farmácias tem aumentado na atualidade, os lideres precisam aumentar suas estratégias para assim, afrontar tal realidade e combater a crise. Neste contexto, o presente estudo é fruto de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo analisar quais os principais artifícios e habilidades para driblar os novos entrantes, com análise dos pontos primordiais para os gestores no requisito concorrência e identificação de ferramentas estratégicas e investimento. Partindo do resultado da pesquisa constatou-se que o marketing e as características do consumidor vinculadas ao combinado mercadológico são peças fundamentais para uma empresa se estabelecer, melhorando os seus pontos positivos. Este propósito visa fidelizar a clientela, e ser, cada vez mais, um intermediário no processo de distribuição final ao ambiente externo. Neste sentido, o marketing é um componente fiel na diferenciação competitiva, havendo um direcionamento estratégico por parte da empresa em atrair e manter consumidores continuamente, para permanecerem no mercado atual.


Palavras-chave


Planejamento estratégico, farmácia, concorrência.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAFARMA. Boas práticas de gestão em serviços farmacêuticos para redes de farmácias,Site Assistência farmacêutica Avançada – AFA, PR, 2018. Disponível em: .Acesso em: 10 out 2018 as 09:05.

CARVALHO, T. A comunicação como estratégia no desenvolvimento da organização, Site Portal Educação, SP, [s.n.]. Disponível em: .Acesso em: 10 out 2018 as 19:30.

CHASTON, I. Excelência em Marketing – como gerar o processo de marketing buscando um melhor desempenho organizacional, São Paulo: Makron books, 1992. p. 50-171.

COMFAR – Comissão de Farmácia do CFF. Marketing em Farmácias e Drogarias, Revista Eletrônica, Brasília, DF, v. 1, n. 8, 2008. Disponível em: . Acesso em: 31 ago 2018 as 22:25.

FILHO, P. V., FERNANDES, M. A. C., DIAS, J. M. A. M. Planejamento Empresarial: teoria e prática: textos selecionados, Rio de Janeiro: LTC – Livros técnicos e científicos Editora S.A., 1982. p. 65-66.

GUIA DA FARMÁCIA. Planejamento estratégico é segredo do sucesso da farmácia, Revista dirigida aos profissionais da saúde, São Paulo, SP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 out 2018 as 20:05.

GUIA DA FARMÁCIA. Gestão de pessoas é desafio para 71% dos varejistas, Revista dirigida aos profissionais da saúde, São Paulo, SP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 out 2018 as 11:20.

LEONARDI, E. O Panoramado Varejo Farmacêutico no Último Trimestre, ICTQ – Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade, São Paulo, SP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 out 2018 as 11:40.

LEVY, A. R. Competitividade Organizacional, São Paulo: Makron, MCGraw-Hill, 1992. p. 72-187.

MANO, R. F.; BATISTA, V. M.; AGUIAR, V. S. M. Estratégias de marketing: o caso da rede farmácia Dias em Campina Grande – PB, Revista Eletrônica de Ciências, Indianópolis Caruaru, PE, v. 7, n. 1, p. 6-28, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 out 2018 as 20:10.

MOURA JUNIOR, S. N., MORAES, I. L. Vencendo a concorrência no comércio varejista de farmácia, Blog SlideShare, Brasília, DF, p. 1-51, 2016.Disponível em: .Acesso em: 30 ago 2018 as 14:30.

MÜLLER, M. Grandes Redes Versus Pequenas Farmácias, ICTQ – Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade, São Paulo, SP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 29 ago 2018 as 19:40.

PANORAMA FARMACÊUTICO. Em crescimento, mercado de logística farmacêutica exige mais especialização, Canal de Informação do Setor, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 out 2018 as 11:30.

ROUSSEL, P. A., SAAD, K. N., BOHLIN, N. Pesquisa & Desenvolvimento Como Integrar P&D ao Plano Estratégico e Operacional das Empresas como Fator de Produtividade e Competitividade, São Paulo: Makron books, 1992. p. 17-164.

SABADINI, L. Perspectivas do mercado farmacêutico para 2018, Blog Inovafarma, São José do Rio Preto, SP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 out 2018 as 11:25.

SANTOS, L. A. A. Planejamento e Gestão Estratégica nas Empresas, São Paulo: Atlas, 1992. p. 19-146.

SEBRAE. Guia de Farmácias. Marketing para Farmácias e Drogarias, Biblioteca Interativa SEBRAE,[s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 08 set 2018 as 20:45.

SILVA, R. F., FILHO, A. P. N., MENDONÇA, D. C. Estratégias competitivas no mercado farmacêutico: uma abordagem sobre o setor magistral, Anais Eletrônicos, Bauru, SP, p. 1-8, 2006. Disponível em: . Acesso em: 01 set 2018 as 18:55.

RICHERS, R., PIMENTA, C. L. Segmentação: opções estratégicas para o mercado brasileiro, São Paulo: Nobel, 1991. p. 109-255.

WIERINGA, J. E., REBER, K. C., LEEFLANG, P.Improving pharmacy store

performance: the merits of over-the-counter drugs, European Journal of Marketing,ReinoUnido,v. 49 n. 7/8, p. 1276-1299, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 ago 2018 as 14:26.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-048

Apontamentos

  • Não há apontamentos.