Renda Básica Incondicional e Liberdade Real / Unconditional Basic Income and Real Freedom

Felipe Moraes de Andrade

Resumo


A renda básica incondicional é um estímulo à preguiça? Há liberdade no ser humano sem dinheiro? Há uma obrigação moral a todos de levar uma vida tradicional de trabalho remunerado? Essas questões são postas neste artigo no âmbito da discussão sobre a Renda Básica Incondicional. Em defesa deste instituto, este artigo analisa o poder da liberdade individual do cidadão com sua consciência e responsabilidade pessoal para conduzir sua própria concepção de boa vida, sem prejuízo das escolhas de condução de seu propósito de vida. Infere-se, por fim, que para se entregar liberdade e uma vida justa a todos, o acesso ao dinheiro deve ser universal.


Palavras-chave


renda básica incondicional, liberdade, trabalho, consciência pessoal

Texto completo:

PDF

Referências


ACKERMAN, B. (2004). Em Defesa de uma Herança Social de Cidadania. In J. C. ROSAS, Ideias Politicas para o Nosso Tempo (pp. 25-39). Braga: Universidade do Minho.

ARNSPERGER, C., & VAN PARIJS, P. (2004). Ética Económica e Social, Porto: Edições Afrontamento.

BERLIN, I. (1981). Quatro ensaios sobre a liberdade, Brasília: Universidade de Brasília.

BREGMAN, R. (2016). Utopia para Realistas. Em Defesa do Rendimento Básico Incondicional, da Livre Circulação de Pessoas e de Uma Semana de Trabalho de 15 horas. Lisboa: Bertrand.

BRITO, M. N. de. (2009). As Andanças de Cândido. Introdução ao Pensamento Político do Século XX. Lisboa: Edições 70.

BRITO, M. N. (2014). O Ordenamento Constitucional Português e a Garantia de um Nível Mínimo de Subsistência. In Estudos em Memória do Conselheiro Artur Maurício (pp. 1097-1124), Coimbra: Coimbra Editora.

DWORKIN, R. (2005). A Virtude Soberana: A Teoria e a Prática da Igualdade, São Paulo: Martins Fontes.

ESPADA, J. C. & ROSAS, J. C. (2004). Pensamento Político Contemporâneo: Uma Introdução. Lisboa: Bertrand.

MILL, J. S. (2006). Sobre a Liberdade. Lisboa: Edições 70.

PAINE, T. (1995) Agrarian Justice. In Thomas Paine: Collected Writings (pp. 396-413). New York: The Library of America.

PIKETTY, T. (2015). O Capital no Século XXI. Lisboa: Círculo de Leitores.

RAWLS, J. (1993). Uma Teoria da Justiça, Lisboa: Presença.

ROSAS, J. C. (2012). Futuro Indefinido: Ensaios de Filosofia Política, Famalicão: Húmus.

SEN, A. (1999). Development as Freedom, New York: Alfred A. Knoff.

UNGER, R. M. (1996). Legal Analysis as Institutional Imagination. In The Modern Law Review (vol. 59, n.º 1, pp. 01-23). Cambridge: Blackwell Publishers.

VAN PARIJS, P. (1991). Why Surfers Should Be Fed: The Liberal Case For an Unconditional Basic Income. In Philosophy and Public Affairs (vol. 20, n.º 2, pp 101-131) Wiley.

VAN PARIJS, P. (1999). Contestatory Democracy versus Real Freedom. In Democracy’s Value (pp. 191-198) Cambridge: Cambridge University Press.

VAN PARIJS, P. (2000). Renda Básica: Renda Mínima Garantida para o Século XXI?. In Estudos Avançados. (vol. 14, n.º 40, pp. 179-210). São Paulo: USP.

VAN PARIJS, P. (2001). What's Wrong with a Free Lunch?, Boston: Beacon Press.

VAN PARIJS, P. (2003). Real Freedom for All. What (if anything) Can Justify Capitalism, Oxford: Claredon Press.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.