Análise estatístico-espacial da relação entre conforto térmico e sensação térmica em área urbana: um estudo de caso da Avenida Augusto Montenegro, Km 0 a 3, Belém-PA / Statistical-spatial analysis of the relationship between thermal comfort and thermal sensation in urban area: a case study of August Montenegro Avenue, Km 0 to 3, Belém-PA

Carolina Teixeira Laurido, Pedro Silvestre da Silva Campos, Gabrielle Laredo Leão, Ryan de Azevedo Pereira, Sayuri Brayd Minori, Flávia Luciana Guimarães Marçal Pantoja de Araújo, Raykleison Igor dos Reis Moraes, Otavio Andre Chase, José Felipe Souza de Almeida

Resumo


O intenso processo de urbanização afetou diretamente as condições ambientais, resultando nas mudanças climáticas e consequentemente houve uma alteração no sistema climático urbano nas cidades. O objetivo desse trabalho foi a realização de análise estatística da relação entre o conforto térmico e sensação térmica de indivíduos belenenses da região entre o Entroncamento e o Estádio do Mangueirão do km 0 ao km 3, na avenida Augusto Montenegro, Belém – PA, e como esses fatores podem estar relacionados com o planejamento urbano. O estudo foi realizado baseando-se em pesquisas bibliográficas e de campo, onde foram obtidos dados de sensação e conforto térmico por meio da aplicação de questionários dirigidos a transeuntes em pontos pré-estabelecidos. Foram aplicados 120 questionários em horários específicos. Os dados foram processados no programa de linguagem R, sendo posteriormente analisados estatisticamente. Os resultados mostram que fatores externos possuem maior influência no conforto térmico do que fatores fisiológicos.

Palavras-chave


Conforto ambiental, Bem-estar, Planejamento urbano, Teste qui-quadrado; Modelo de regressão logística ordinal.

Texto completo:

PDF

Referências


AMBRIZI, T. Variabilidade e mudança no clima: passado, presente e futuro. In: CORTESE, T.; NATALINI, G. (Org.). Mudanças climáticas: do global ao local. Barueri: Editora Manole Ltda, p. 1-38, 2014.

BASSO, J. M.; CORRÊA, R. S. Arborização urbana e qualificação da paisagem. Revista Paisagem e Ambiente, n. 34, p. 129-148, 2014.

BERNATZKY, A. The contribution of trees and green spaces to a town climate. Energy and Buildings, v. 5, p. 1-10, 1982.

BESHIR, M.Y.; RAMSEY, J. D. Comparison between male and female subjective estimates of thermal effects and sensations. Applied Ergonomics, v. 12, n. 1, p. 29–33, 1981.

BORGES, D. A. B.; LIMA, E. R. V.; SANTOS, J. S.; CUNHA, M. C. L. Análise da arborização urbana na cidade de Patos/ PB. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 11, n. 4, p. 1343 – 1359, 2018.

FILHO, M. R. T.; AZEVEDO, C. D. S. Estudo da sensação térmica no município de Mata Grande em Alagoas. 2010.

FRANÇA, M. S.; MAITELLI, G. T.; NOGUEIRA, M. C. J. A.; FRANÇA, S. M. B.;

HAIR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise Multivariada de Dados. Trad. Adonai Schlup Sant’Anna e Anselmo Chaves Neto. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. p. 32.

JORESKOG, K.; SORBOM, D. Lisrel 8: user’s ference guide. Chicago, Inc. 1996.

JUNIOR, J. A. S.; COSTA, A. C. L.; PEZZUTI, J. C. B.; COSTA, R.F.; GALBRAITH, D. Análise da distribuição espacial do conforto térmico da cidade de Belém, PA no período menos chuvoso. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 5, n. 2, p. 218-232, 2012.

JUNIOR, J. A. S.; COSTA, A. C. L.; PEZZUTI, J. C. B.; COSTA, R. F.; SOUZA, E. B. Relações entre as percepções térmicas e índices de conforto térmico dos habitantes de uma cidade tropical na Amazônia Oriental. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, Ituiutaba, v. 3, n. 2, p. 395-407, 2012.

LAMBERTS, R; XAVIER, A. A.; GOULART, S.; VECCHI, R. Conforto e Stress Térmico. Florianópolis: Laboratório de Eficiência Energética em Edificações/ Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

MENEGATTI, M. C. et al. Influência no índice de massa corpórea e frequência de atividades físicas no conforto térmico humano: análise estatística de dados e estudo de campo com usuários de escritórios em Florianópolis, SC. Ambiente Construído, v. 18, n. 3, p. 119-133, 2018.

MONTANHEIRO, F. P. A percepção térmica de idosos brasileiros em sala com ar condicionado: uma abordagem inicial. PARC Pesquisa Em Arquitetura E Construção, v. 7, n. 4, p. 202-210, 2016.

NOGUEIRA, J. S. Estimativa de índices de conforto térmico na cidade de Cuiabá/MT. Caminhos de Geografia, v. 16, n. 55, 2015.PAULA, Roberta Zakia Rigitano. A influência da vegetação no conforto térmico do ambiente construído. 110 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. 2004.

OLIVEIRA, C. H. Planejamento ambiental na cidade de São Carlos (SP) com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Ecologia Urbana.) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos. 132 p. São Carlos, 1996.

Pará – IBGE – Panorama. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/panorama. Acesso em 11/12/2019 as 23h.

RUAS, A. C. Conforto térmico no ambiente de trabalho. São Paulo: Fundacentro, 1999.

SOUZA, R. D. P. Área de expansão em Belém: Um espaço de múltiplas vivências. 138 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal do Pará, Pará, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.