Drogadição e juventude: uma leitura integrativa entre os saberes das políticas públicas sociais no campo da saúde e da educação / Drug addiction and youth: an integrative reading between the knowledge of public social policies in the field of health and education

Francisco Renato Lima, Daniel Josivan de Sousa

Resumo


A contemporaneidade tem colocado novos desafios no modo como certos problemas são abordados, dada a complexidade que assumem, exigindo o esforço de evitar simplificações reducionistas. A exemplo, a temática ‘drogadição e juventude’, a qual exige a necessidade de uma intervenção ampliada, por meio do diálogo entre múltiplos aportes teórico-técnicos e legais, o que inclui ações e políticas públicas intersetoriais entre a saúde e a educação. Neste estudo, analisou-se a relação entre drogadição e juventude na realidade atual, a partir de um enfoque integrativo entre saúde e educação, visando apontar possibilidades de ações interventivas e interdisciplinares na prevenção e assistência às vítimas dessa situação. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de natureza qualitativa, construída em diálogo com autores, como: Bastos et al. (2017), Büchele; Coelho; Lindner (2009), Castro (2008), Henriques; Rocha; Reinaldo (2016), Medeiros et al. (2013), Moreira (2019), Laranjeira et al. (2003), Rocha (2015), Vasters; Pillon (2011), entre outros; além da análise de documentos oficiais, de caráter normativos e orientadores, propostos pelo Ministério da Saúde (MS) (BRASIL, 2001; 2003; 2004; 2010; 2011; 2015; 2019), a fim de responder ao seguinte questionamento: Como cada área (saúde e educação) trata a questão da drogadição e da juventude na realidade atual? E, principalmente, como intervir nessa realidade, de forma interdisciplinar? O uso de drogas pelos jovens ultrapassa as motivações dos indivíduos singulares e precisa ser visto como uma doença crônica e recorrente, com sérias consequências pessoais e sociais, associado à múltiplas facetas da vida cotidiana, o que exige, para a sua plena superação, o investimento e fortalecimento de políticas públicas sociais, materializadas em ações de prevenção, contrárias à culpabilização dos sujeitos, oferecendo subsídios para o enfrentamento da vulnerabilidade a qual os sujeitos estão inseridos.


Palavras-chave


Drogadição. Juventude. Saúde. Educação. Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Transtornos relacionados a substâncias. In: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – DSM-IV. 4. ed. Trad. D. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 171-262.

BASTOS, Francisco Inácio Pinkusfeld Monteiro et al. (Org.). III Levantamento Nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, 2017.

Disponível em: < https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614 >. Acesso em: 19 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, 2001. Disponível em: < https://hpm.org.br/wp-content/uploads/2014/09/lei-no-10.216-de-6-de-abril-de-2001.pdf >. Acesso em: 28 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_atencao_alcool_drogas.pdf >. Acesso em: 28 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. SVS/CN-DST/AIDS. A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas/Ministério da Saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Dependência de drogas é doença. Jornal do Senado, Brasília, ano IV, nº 127, 19 a 25 de junho de 2006. Disponível em: < https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70212/060619_127.pdf?sequence=4&isAllowed=y >. Acesso em: 19 set. 2019.

BRASIL. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras – 2010. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID); Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), 2010. Disponível em: < https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/10/VI-Levantamento-Nacional-sobre-o-Consumo-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-entre-Estudantes-do-Ensino-Fundamental-e-M%C3%A9dio-das-Redes-P%C3%BAblica-e-Privada-de-Ensino-nas-27-Capitais-Brasileiras.pdf >. Acesso em: 28 set. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Brasília, 28 de junho de 2011; 190º da Independência e 123º da República. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm >. Acesso em: 29 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: < https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/dezembro/15/Guia-Estrat--gico-para-o-Cuidado-de-Pessoas-com-Necessidades-Relacionadas-ao-Consumo-de---lcool-e-Outras-Drogas--Guia-AD-.pdf >. Acesso em: 18 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Nota técnica nº 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Brasília, 2019. Disponível em: < http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf > Acesso em: 20 nov. 2019.

BÜCHELE, Fátima; COELHO, Elza Berger Salema; LINDNER, Sheila Rubia. A promoção da saúde enquanto estratégia de prevenção ao uso das drogas. Ciência & Saúde Coletiva, n 14, p. 267-273, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a33v14n1.pdf >. Acesso em: 21 set. 2019.

CASTRO, Maria Helena Guimarães. Políticas públicas: conceitos e conexões com a realidade brasileira. In: CANELA, Guilherme (Org.). Políticas públicas sociais e os desafios para o jornalismo. São Paulo: Cortez, 2008. p. 61-80.

CENTRO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO SOBRE DROGAS PSICOTRÓPICAS. Livreto informativo sobre drogas psicotrópicas: Leitura recomendada para alunos a partir da 6ª série do Ensino Fundamental. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2003. Disponível em: < https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/12/Livreto-Informativo-sobre-Drogas-Psicotr%C3%B3picas.pdf >. Acesso em: 15 ago. 2019.

CRIVES, Miranice Nunes dos Santos; DIMENSTEIN, Magda. Sentidos produzidos acerca do consumo de substâncias psicoativas por usuários de um programa público. Saúde e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 26-37, jul./dez., 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v12n2/04.pdf >. Acesso em: 19 out. 2019.

GOMES, Luiz Flávio; ALMEIDA, Patrícia Donati de. Lei nº 11.343/06 versus Lei nº. 11.719/08: qual procedimento deve prevalecer? Publicado em 2009. Disponível em: < www.ifg.com.br >. Acesso em: 14 set. 2019.

HENRIQUES, Bruno David; ROCHA, Regina Lunardi; REINALDO, Amanda Márcia dos Santos. Uso de crack e outras drogas entre crianças e adolescentes e seu impacto no ambiente familiar: uma revisão integrativa da literatura. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, vol. 25, n. 3, p. 01-10, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n3/pt_0104-0707-tce-25-03-1100015.pdf >. Acesso em: 19 set. 2019.

LARANJEIRA, R. et al. (Coord.). Usuários de substâncias psicoativas: abordagem, diagnóstico e tratamento. 2. ed. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo/Associação Médica Brasileira, 2003. Disponível em: < https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0201.pdf >. Acesso em: 16 ago. 2019.

LIMA, Aluísio Ferreira de. A dependência de drogas como um problema de identidade: possibilidades de apresentação do ‘Eu’ por meio da oficina-terapêutica de teatro. 2005. 000 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), São Paulo, 2005.

MATTEI, Lauro. Estratégias de erradicação da pobreza rural: notas sobre inclusão sócio produtiva. Fórum DRS, ano 5, n. 82, p. 06-20, 2011.

MEDEIROS, Katruccy Tenório et al. Representações sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuários. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 18, n. 2, p. 269-279, abr./jun. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pe/v18n2/a08v18n2.pdf >. Acesso em: 28 set. 2019.

MOREIRA, Solange. As implicações das alterações na política nacional de saúde mental, álcool e outras drogas para o exercício profissional de assistentes sociais no Brasil. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2019. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/Nota-tecnicalei13840-2019-.pdf >. Acesso em: 29 set. 2019.

OLIVEIRA, Evaldo Melo de; SANTOS, Naíde Teodósio Valois. A rede de assistência aos usuários de álcool e outras drogas – em busca da integralidade. In: SANTOS, Loiva Maria de Boni (Org.). Outras palavras sobre o cuidado de pessoas que usam drogas. Porto Alegre: Ideograf/Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul, 2010.

PAIVA, Fernando Santana de; RODRIGUES, Marisa Cosenza. Habilidades de vida: uma estratégia preventiva ao consumo de substâncias psicoativas no contexto educativo. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, ano 8, n. 3, p. 672-684, 2008. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v8n3/v8n3a09.pdf >. Acesso em: 28 set. 2019.

RIBEIRO, Cynara Teixeira. Que lugar para as drogas no sujeito? Que lugar para o sujeito nas drogas? Uma leitura psicanalítica do fenômeno do uso de drogas na contemporaneidade. Ágora, Rio de Janeiro, v. XII, n. 2, jul./dez., p. 333-346, 2009, Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/agora/v12n2/v12n2a12.pdf >. Acesso em: 15 set. 2019.

ROCHA, Glória Maria de Sousa. Estratégias do Ministério da Saúde para o enfrentamento do uso de drogas ilícitas. 2015. 66 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Fundação Oswaldo Cruz, Brasília, 2015.

SANTOS, Manoel Antônio dos; PRATTA, Elisângela Maria Machado. Adolescência e o uso de drogas à luz da psicanálise: sofrimento e êxtase na passagem. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 167-182, 2012. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v44n1/v44n1a10.pdf >. Acesso em: 19 set. 2019.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME (UNODC). Relatório Mundial sobre Drogas 2018: crise de opioides, abuso de medicamentos sob prescrição; cocaína e ópio atingem níveis recordes. Brasília: UNODC, 2018. Disponível em: < unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2018/06/relatorio-mundial-drogas-2018.html >. Acesso em: a7 set. 2019.

VASTERS, Gabriela Pereira; PILLON, Sandra Cristina. O uso de drogas por adolescentes e suas percepções sobre adesão e abandono de tratamento especializado. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, vol. 19, n. 2, mar./abr., 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n2/pt_13.pdf >. Acesso em: 19 out. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.